Um dos primeiros craques da história santista se chamava Camarão

Aníbal Torres de Andrade, ou somente Camarão, foi um dos primeiros grandes craques a representar a camisa do Santos. Peixe desde criancinha, Camarão foi um dos pioneiros no “futebol arte” que o alvinegro praiano carrega em seu DNA.

O jornalista De Vaney descreveu o atleta da seguinte maneira: “Camarão, Aníbal Torres, santista do Mercado, era a encarnação, justaposta, do futebol praiano, manso mas positivo, sutil mas corpóreo, requebrado mas prático, malemolente mas rentável, fintoso mas gol.”

Camarão jogava na ala direita do campo, seja integrando o meio-campo ou participando no ataque. Mas apesar de ser o primeiro grande jogador do Peixe, Camarão não iniciou sua trajetória na Vila Belmiro. Ele iniciou no Brasil FC, equipe que também era da cidade de Santos.

Ao lado de seu irmão Siriri, o ponta-direita foi contratado pelo alvinegro praiano em 1923, em negociação intermediada por José Caetano Munhoz, grande garimpeiro e especialista do futebol de várzea da época.

Camarão fez parte do famoso ataques dos 100 gols, em 1927. Além disso, ele foi o autor do gol do Santos na inauguração dos refletores da Vila Belmiro, em março de 1931. Durante sua passagem no Peixe, Camarão dividiu o campo com outros craques, como Feitiço e Araken.

O ponta-direita ficou na Vila Belmiro por 11 temporadas, entre 1923 e 1934. Ele é o 11º maior artilheiro da história do clube, com 147 gols. Além disso, Camarão também foi técnico do Santos entre 1937 e 1938. Ele faleceu em 1984, aos 84 anos.

Relembre o ataque dos 100 gols do Santos

Em 1927, o Santos se tornou o primeiro clube a fazer 100 gols em uma única edição do Campeonato Paulista. Com uma linha de frente formada por nomes como Omar, Camarão, Feitiço, Araken, Siriri, Hugo e Evangelista, o Peixe chegou ao expressivo número em apenas 16 partidas, com uma média de 6,25 gols a cada 90 minutos.

Além disso, o Alvinegro Praiano também tinha a quinta melhor defesa da competição, com 33 gols sofridos. No entanto, o mais curioso é o fato de que o time santista não se sagrou campeão daquela edição.

Se o Peixe tinha o melhor ataque, o Palmeiras conquistou o título com o que foi de maneira disparada a melhor defesa: 22 gols sofridos. Na 3ª rodada do quadrangular final, o time Alviverde derrotou o Santos por 3 a 2 e ficou com a taça, em plena Vila Belmiro.