Santos tem acordo rejeitado e segue com transfer ban

A direção do Santos segue sem ter previsão para a derrubada do transfer ban, castigo imposto pela Fifa devido a uma dívida com o técnico Fabián Bustos. Uma proposta de pagamento parcelado da dívida foi realizada ao treinador argentino, mas foi recusada. Bustos demanda o pagamento integral e imediato do valor, que atualmente é de cerca de 4 milhões de reais.

De início, a dívida com Bustos beirava os 6 milhões de reais. No entanto, após alguns recursos, o Santos conseguiu diminuir esse valor. Apesar disso, o argentino mantém a exigência do pagamento à vista para que um acordo seja oficializado. Somente após a quitação deste débito, o clube santista terá o transfer ban cancelado.

Situação afeta novas contratações

Enquanto a situação não é resolvida, o novo reforço Gabriel Brazão, goleiro recém-contratado, treina no CT Rei Pelé, mas sem data para estrear. Devido à proibição imposta pela Fifa, o Santos não pode registrar o jogador, nem inscrevê-lo no Paulistão. A liberação para tais ações só será possível após a anulação da punição.

Marcelo Teixeira, presidente do Santos, numa conversa com o portal “Trivela”, expressou que “Bustos está dificultando” o fechamento do acordo devido ao ressentimento que sente pelo tratamento que recebeu do ex-presidente Andres Rueda. A dívida com Bustos é vista como mais uma “herança maldita” deixada por Rueda, e tem gerado desconforto em pessoas próximas a Marcelo, uma vez que se apresenta como um grande problema a ser resolvido.

Fabián Bustos assumiu o comando do Santos em Fevereiro de 2022, conquistando apenas 8 vitórias, até ser demitido em Julho do mesmo ano. Nesse período, a equipe também registrou 12 empates e 9 derrotas sob seu comando. O argentino até recebeu a confiança do ex-presidente Andres Rueda, mas foi despedido pouco tempo depois. Além disso, Bustos guarda um grande ressentimento pelo Santos devido ao tratamento que lhe foi dado e a falta dos reforços prometidos para fortalecer o time.

Entendendo o caso

O transfer ban foi uma penalidade aplicada ao Santos após ação judicial movida pelo ex-treinador Fabián Bustos. Ele treinou a equipe em 2022 e cobra na justiça os valores correspondentes ao restante do seu contrato após ser demitido entre julho do mesmo ano e dezembro de 2023. Na ação, o ex-treinador do Peixe reivindicou US$ 1,2 milhão (cerca de R$ 5,9 milhões). No entanto, após esforços do departamento jurídico do clube, foi possível reduzir a cobrança para R$ 4 milhões.