Sampaoli reencontra na Europa “sonho” que não conseguiu realizar no Santos

Na tarde desta quinta-feira (16), Sevilla e PSV se enfrentam pela segunda fase da Europa League, às 17h (de Brasília), colocando a frente o técnico Jorge Sampaoli, comandante da equipe da Espanha, contra o brasileiro Marcos Júnior, um dos atletas mais requisitados pelo argentino em sua passagem pelo Brasil.

O treinador, que acabou ganhando a fama de pedir muitos reforços, quase conseguiu fechar a contratação do jogador quando estava no Santos e no Atlético-MG. Segundo o próprio atleta, o negócio estava muito perto de acontecer, mas ele seguiu na Holanda e está a um passo de completar 100 jogos pelo PSV, caso entre em campo mais uma vez.

“Quase deu certo três anos atrás de eu ir para o Santos e depois também para o Atlético-MG com o Sampaoli. Eu não estava jogando aqui no PSV e tinha decidido que precisava jogar, queria uma oportunidade. Não deu certo por detalhe. O PSV queria emprestar e eles queriam comprar uma porcentagem. Eu estava disposto a ir, queria voltar a jogar. Estou bem aqui agora e meu foco é ficar no PSV”, disse em entrevista ao UOL Esporte.

Naquele período, Marco Júnior ainda atuava pelo meio-campo, setor que atuava quando despontou no Desportivo Brasil. Hoje, por conta de uma mudança promovida pelo antigo técnico Roger Schmidt, atualmente no Benfica, o levou a jogar na lateral-direita. Sob o comando do ídolo holandês  Ruud van Nistelrooy, ele está atuando pela ala-esquerda.

“No ano passado eu não estava tendo muita oportunidade e o Roger Schmidt perguntou se eu estava disposto a treinar como lateral. No primeiro treino já fui bem e ele quis me colocar para jogar na lateral. Comecei a jogar na lateral esquerda e aí o nosso lateral-direito se machucou. Como não tinha ninguém, eu tive que ir para a direita. No começo foi difícil de me adaptar defensivamente, mas consegui rapidamente”, revelou.

Relação com Sampaoli e retorno ao futebol brasileiro

Quando questionado acerca do encontro com o técnico que fez questão de contar com seu futebol em duas equipes diferentes, o brasileiro se mostrou honrado, além de rasgar elogios ao treinador argentino.

“Será uma grande honra poder jogar contra o time do Sampaoli. Ele é um dos grandes treinadores do futebol mundial e já comprovou isso nos clubes onde passou. Eu fico feliz que um profissional da qualidade dele tenha se interessado pelo meu trabalho, pois isso significa que estou no caminho certo e só me dá motivação para seguir me dedicando dia a dia”, disse.

Em relação a uma possível volta ao Brasil, Marco Júnior foi sincero e resgatou qualidades do futebol nacional, e não fechou as portas para um retorno no futuro.

“A gente cresce vendo futebol brasileiro. Sempre sonhei em jogar em algum clube do Brasil. Futebol brasileiro é paixão, amor, torcida, a gente vive pelo futebol. Sonho em jogar, sim. Difícil falar algum time, mas tenho esse sonho. Quem sabe futuramente”, concluiu.