Protesto da torcida faz diretoria tomar decisão inesperada

Após os protestos da torcida santista em frente ao CT Rei Pelé, na última quinta-feira (02), o Santos está repensando acerca da contratação do meia Lucas Lima.

Antes das atividades do elenco, membros de uma torcida organizada do clube invadiram o centro de treinamento para protestar contra o presidente Andres Rueda, além dos maus resultados do time nos últimos anos.

Os santistas não gostaram nenhum pouco da ideia do clube em repatriar o meia. Os adeptos não esqueceram a forma polêmica que Lucas Lima abandonou o clube em 2017, com destino ao Palmeiras, além de ter provocado a torcida em sua apresentação no rival.

O jogador já estava fechando um contrato de produtividade com o clube, com metas já pré-estabelecidas e com um salário inicial de R$ 100 mil. Caso cumprisse as metas, seus vencimentos mensais poderiam chegar até R$ 500 mil.

“Estou bem de verde, gostei demais, estou muito feliz. Agora o coração é verde. Não vou ter muita relação com a torcida do Santos. Principalmente pelas redes sociais. Mas hoje não me importa. Vim pelo Palmeiras, pela torcida, por jogar em estádio lotado, para ser feliz, ganhar títulos. Todos me receberam muito bem. Queria agradecer o carinho da torcida, me receberam muito bem. Claro que alguns ainda duvidam, mas espero conquistá-los dentro de campo”, disse.  

Presidente pensativo e pausa na negociação

Durante a manifestação dos torcedores no CT, Rueda ouviu da grande maioria que Lucas Lima não era bem-vindo na Vila Belmiro. Diante disso, o mandatário está bem pensativo sobre a contratação, e começou a tratá-la com cautela.

O negócio estava quase fechado, e havia a expectativa de anúncio já nesta quinta, para que fosse relacionado para o clássico contra o Palmeiras, nesta sábado (4), às 18h30, no Morumbi. Entretanto, a negociação deu uma pausa para ser discutida internamente.