O dia que político não queria que a Vila Belmiro sediasse final

Na final da Copa do Brasil de 2015, disputada entre Santos e Palmeiras, o vereador paulistano Laércio Benko (PHS) afirmou que aconteceria uma tragédia caso a partida de ida, com o mando santista, fosse realizada na Vila Belmiro. Relembre o episódio que deu o que falar:

Antes do jogo acontecer, Laércio Benko disse que haveria uma “tragédia anunciada” no jogo de ida na Vila Belmiro durante uma sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Torcidas Organizadas da Câmara Municipal de São Paulo, que é presidida pelo próprio vereador.

“A final da Copa do Brasil na Vila Belmiro, em Santos, é de uma irresponsabilidade gigante, não há estrutura para garantir a segurança nesse jogo”, afirmou Benko. A declaração foi feita no final da sessão, que contou com a participação de representantes das torcidas organizadas de clubes como Corinthians, São Paulo e Palmeiras, sem um membro de torcidas do Santos presente.

“O acesso ao local é difícil, com ruas estreitas e que ainda são interditadas nos dias dos jogos. Além disso, o Santos é um time maior que sua cidade e poderia jogar em melhores estádios de outras cidades ainda com grande torcida”, relatou o vereador em entrevista para o site “Curioso do Futebol”.

“Por causa dos últimos embates, a rivalidade entre Santos e Palmeiras cresceu nos últimos anos. Além disso, há em questão a vaga na Libertadores, que é a competição em que todos os clubes brasileiros sonham em disputar”, completou Benko, contextualizando a rivalidade entre os dois times.

Em resposta à declaração do vereador, o Santos soltou uma nota reiterando que a logística de segurança do estádio para grandes clássicos era adequada. “A organização do esquema de segurança para grandes clássicos na Vila Belmiro é tratada sempre com antecedência, com inteligência e com responsabilidade”, declarou o clube em nota.