Entenda como o período sem jogos se tornou uma decepção para o Santos

Por conta da eliminação precoce no Campeonato Paulista, no dia 4 de março, ao perder por 3 a 0 para o Ituano, o Santos ficou com o calendário praticamente vazio. A única partida oficial que disputou foi diante do Iguatu-CE, no dia 9 de março, pela segunda fase da Copa do Brasil.

O técnico Odair Hellmann esperava contar com novos reforços neste período sem partidas, para adaptá-los ao seu sistema de jogo e testar diversas variações táticas nos treinos no CT Rei Pelé. No domingo (2), a delegação embarcou rumo à Bolívia para a estreia na Copa Sul-Americana nesta temporada, diante do Blooming, sem um reforço contratado desde a pausa. 

Todavia, não foi por falta de tentativas, visto que a diretoria foi atrás de diversos nomes como Jean Lucas, Diego Pituca, Ademir, Lucas Merola, Lucas Blondel, Jamerson e Lucas Veríssimo. Todas as negociações fracassaram, muito por conta da grave situação financeira que o Peixe está vivendo atualmente.

Com a janela de transferências de atletas do exterior se fechando nesta segunda-feira (3), o clube deve apostar no mercado nacional, que está aberto até o dia 20 deste mês.

Problemas com jogadores lesionados

Piorando ainda mais a situação, a comissão técnica não contou com atletas que são titulares, mas que acabaram se machucando, como o zagueiro Joaquim e os atacantes Lucas Braga, Soteldo e Mendoza. Ângelo retornou aos treinamentos somente na última sexta-feira (31), enquanto Sandry perdeu metade dos treinos.

Sem muitas opções na zaga e nas pontas, Odair Hellmann optou pela mudança de esquema, atuando com quatro meio-campistas por dentro, sem nenhum ponta de origem. 

A volta dos lesionados está descartada para o duelo contra o Blooming, nesta terça-feira (4), às 21h30. Entretanto, há o otimismo de Joaquim, Lucas Braga e Mendoza retornarem para o duelo contra o Botafogo-SP, pela terceira fase da Copa do Brasil. Soteldo deve retornar em maio.