Companheiro no Santos opina sobre treta de Neymar e Dorival: “Faltou liderança”

A “Era Neymar” foi mágica para o Santos, e possivelmente uma das melhores da história do clube desde a “Era Pelé”. No entanto, antes das conquistas deste período, Neymar e o treinador Dorival Júnior foram alvos de uma polêmica durante a vitória sobre o Atlético Goianiense, pelo Brasileirão de 2010. Ex-companheiro do Menino da Vila, o meia Marquinhos lembrou do episódio.

O caso aconteceu porque o atacante se irritou com o técnico após ser impedido de bater um pênalti – o batedor deveria ser Marcel, centroavante do time. Neymar bateu boca com Dorival e chegou a xingar o capitão do time na ocasião, Edu Dracena.

Marquinhos lembrou do episódio ao ser questionado sobre a fama de “cai-cai” de Neymar durante a Copa do Mundo de 2018. “Acho que faltou ter alguém para fazer como eu fiz quando ele brigou com o Dorival Júnior. Eu coloquei na sala, a gente se abraçou, chorou e eu cobrei uma postura. Ele tinha 18 anos, mas cobrei postura pois era a nossa referência. Faltou alguém falar para ele, colocar em uma sala, falar que era o diferencial e que não precisava ficar caindo e chamando todos contra si. Faltou, queira ou não, uma liderança”, afirmou o ex-jogador.

Ainda sobre a copa de 2018, Marquinhos reiterou que a liderança de Neymar, capitão da Seleção Brasileiro em 2018, não foi “suficiente”: “Quem sabe um jogador com menos qualidade, mas com postura de liderança, poderia ser melhor do que um acima da média. Faltou um capitão”, disse Marquinhos.

“Treinador sozinho não aguenta grupo sozinho se não tiver três ou quatro jogadores para segurar onda de vestiário. Estou nisso há 20 anos. Vestiário não muda, vai sempre o mesmo. Tomara que seja um aprendizado para na próxima tenha Copa e ele saiba o quanto representa para a Seleção”, completou.