Clássico da Saudade: os duelos históricos entre Santos x Palmeiras

Clássico da Saudade é, no futebol paulista, o confronto entre Palmeiras e Santos. O nome é referência ao fato de reunir os dois maiores times do futebol paulista durante o auge do chamado “futebol-arte” brasileiro, na década de 1960, quando o Palmeiras tinha Ademir da Guia como principal craque, e o Santos, Pelé.

Ao longo de mais de 100 anos de clássicos disputados, além de jogos que entraram para a história do futebol brasileiro, as equipes decidiram títulos importantes nas esferas estadual, nacional e continental, como o Campeonato Paulista, a Copa do Brasil, o Campeonato Brasileiro na era dos pontos corridos e a Copa Libertadores da América.

A primeira partida entre as duas equipes aconteceu em 1915, mas o auge da rivalidade surgiu na década de 60. Tudo começou em 1959, quando o Palmeiras venceu o Santos na disputa do Paulistão daquele ano. Treinador do alviverde, Osvaldo Brandão disse a seguinte frase: “Estamos fadados a enfrentar esse time do Santos pelos próximos cinco anos”. E assim aconteceu.

Em 1960, os dois clubes duelaram no torneio estadual: foram duas vitórias para o Santos; uma delas acabou dando o título da competição para o Peixe. Em 1964, os dois times voltaram a se enfrentar nas quartas de final da Taça Brasil de 1964, com o Santos vencendo por 3 a 2 no jogo de ida. Na volta, 4 a 0 para o alvinegro praiano.

No ano seguinte, na Taça Brasil de 1965, outro Clássico da Saudade, desta vez nas semifinais. O Peixe venceu o primeiro jogo por 4 a 2, com um show de Toninho Guerreiro. Na segunda partida, os times empataram em 1 a 1 e novamente o Santos eliminou o Palmeiras.

Foi em 1968 quando aconteceu o famoso confronto entre Ademir da Guia e Pelé. O confronto direto entre os dois times no Campeonato Paulista era essencial para a conquista do torneio. E o Peixe ganhou por 2 a 1, com um golaço marcado por Pelé, conseguindo vencer a competição.

Em 1983, o Clássico da Saudade entre Santos e Palmeiras protagonizou um episódio um tanto quanto inusitado. As duas equipes se enfrentaram no Campeonato Paulista, e time alviverde carregava um tabu de quase quatro anos sem vencer o Peixe. No Morumbi, a partida não teve como personagem principal um jogador de uma das duas equipes – mas sim, o árbitro José de Assis Aragão.

O Santos jogou melhor e construiu um resultado de 2 a 1 na partida. Com os minutos finais se aproximando, a vitória do alvinegro praiano era certa. No entanto, um lance bizarro mudou a história do confronto.

A bola sobrou para Jorginho, do Palmeiras, dentro da área, aos 46 minutos do segundo tempo. O jogador do time da capital finalizou errado, mas a bola desviou no árbitro, posicionado na grande área, e entrou no gol. Sem nenhuma surpresa, os jogadores do Peixe em campo ficaram indignados pelo fato do gol ter sido validado. O jogo terminou em 2 a 2.

O último grande episódio deste clássico foi a Final da Libertadores em 2020. Em um duelo marcado pela expulsão do treinador Cuca na reta final do jogo e por ter sido a primeira grande decisão com os portões parcialmente fechados por conta da Covid-19, o time alviverde acabou se sagrando campeão com um gol nos acréscimos.